domingo, 22 de julho de 2007

Ataque à objecção de consciência IV

Por várias vezes neste blog foram denunciados os ataques de que a objecção de consciência tem sido alvo. Veja por exemplo: 7 de Junho , 18 de Junho, 19 de Junho.
Embora seja lamentável que tais ataques ocorram, esta situação era previsível. De facto, para que o “aborto higiénico” seja possível, não basta que tenha sido aprovada a recente lei. É necessário que hajam médicos que se disponham a praticar o aborto, e para que tal aconteça, nada melhor do que atacar a objecção de consciência.
O recente artigo do Público constitui mais uma prova de que tal ataque é uma realidade. Nesse artigo, vários médicos (incluindo o bastonário da Ordem dos Médicos, Pedro Nunes) consideram “insultuosa” a declaração que têm que assinar para não fazerem abortos.
De entre esses médicos que não vão fazer abortos está a quase totalidade (46) dos 50 ginecologistas do hospital do Hospital de São João no Porto bem como a totalidade (cerca de 20) dos médicos do Hospital de São Francisco Xavier em Lisboa.
João Lima

2 comentários:

o canto no jardim disse...

Os tiranetes que nos impingiram a lei do aborto, através da vil falácia do referendo, não contaram com a dignidade, o profissionalismo autêntico e a elevação moral da maioria dos médicos portugueses.

E, agora, os tiranetes não sabem como resolver a questão...
Mas irão decerto resolvê-la: recrutarão médicos espanhóis, mercenários; facilitarão a fixação de mais clínicas da morte, espanholas, em Portugal... E pronto. Está tudo "resolvido"...

Amigos defensores da Vida: não podemos afrouxar nem adormecer por um segundo neste combate contra o mais abominável dos crimes! Cerrar fileiras e unir corações e vontades para continuar a travar o "bom combate" de que falava São Paulo!

O canto no Jardim

LBR disse...

Amigos,

Creio ter lido algures no vosso blogue uma proposta de "declaração de objecção de consciência" para outro pessoal que não médico ou de enfermagem - p. ex. administrativos cuja consciência impeça de encaminhar as mulheres para o aborto. Tenho ideia de que seria algo que se estava a assinar no Hospital de Faro... Mas posso estar equivocado.

Têm-me pedido isso num Centro de Saúde. Se me podem ajudar, por favor enviem texto para portugalprovida@gmail.com

Muito obrigado,
Luís Botelho